All posts by author

Esgoto pode virar água potável

Posted by / 18 de dezembro de 2015 / Categories: Multiconexões / 0 Comments

O tratamento e reuso do esgoto para fins potáveis já é uma realidade em alguns países, como na Austrália. Porém, no Brasil podemos observar uma resistência da população quando o assunto é transformar o esgoto em água reutilizável.

Em novembro do ano passado, o governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckimin, anunciou a construção de duas estações para captação e tratamento de esgoto, o que trouxe ainda mais dúvidas para as pessoas.

Afinal, o esgoto pode ser reutilizado?

Segundo José Carlos Mierzwa, professor da faculdade de Engenharia Hidráulica e Ambiental da Escola Politécnica da USP, isso é sim possível! Hoje já existem processos tecnológicos que permitem o tratamento de esgoto em água potável de forma eficaz.

A proposta das estações de tratamento no estado de São Paulo é captar o esgoto e realizar o tratamento de forma convencional, e após esse processo usar tecnologias adicionais, como, por exemplo, a osmose reversa, que é um sistema utilizado para fazer a dessalinização da água do mar.

osmose_reversa

Obviamente, esse processo deve ter um acompanhamento rigoroso da operação para assegurar a qualidade da água que será oferecida, já que as companhias de abastecimento precisam atender as normas de legislação do Ministério da Saúde.

Porém, devemos frisar que independente do tratamento do esgoto resultar ou não em água potável, o importante e essencial é realizar o tratamento desse efluente! Com o tratamento adequado do esgoto há uma melhora significativa na qualidade do rio Tiête, por exemplo. O que já representa um impacto significativo.

Segundo José Carlos Mierzwa, o fato de o rio Tiête ser altamente poluído acentua ainda mais a crise hídrica, já que antes o estado de São Paulo captava água desse rio para abastecer as residências. Com a poluição do rio, é necessário buscar água de cada vez mais longe, o que encarece tanto sua captação como distribuição. Nesse caso, o tratamento de esgoto para a reutilização da água sairia muito mais barato para o estado.

O reuso do esgoto contribui para a conservação dos recursos naturais do planeta, e representa uma dimensão econômica ao planejamento dos recursos hídricos.

fonte: www.r7.com.br

Aquecimento Global

Posted by / 18 de dezembro de 2015 / Categories: Multiconexões / 0 Comments

Aquecimento global é o processo de aumento da temperatura média dos oceanos e do ar perto da superfície da Terra causado pelas emissões humanas de gases do efeito estufa, amplificado por respostas naturais a esta perturbação inicial, em efeitos que se autorreforçam em realimentação positiva. Esse aumento de temperatura vem ocorrendo desde meados do século XIX e deverá continuar no século XXI. Os principais gases estufa emitidos pelo homem são o dióxido de carbono e o metano, e decorrem de várias atividades humanas, especialmente a queima de combustíveis fósseis, o uso de fertilizantes e o desmatamento. Esses gases atuam obstruindo a dissipação do calor terrestre no espaço.

O declínio do gelo flutuante do Ártico é um dos sinais mais evidentes do aquecimento global. A animação mostra a redução entre 1979 e 2010.
O aumento nas temperaturas globais e a nova composição da atmosfera desencadeiam alterações importantes em vários sistemas da Terra. Afetam os mares, provocando a elevação do seu nível e mudanças nas correntes marinhas e na composição química da água, verificando-se acidificação, dessalinização e desoxigenação. Prevê-se uma importante alteração em todos os ecossistemas marinhos, com impactos na sociedade humana em larga escala.[4] [5] Afetam irregularmente o regime de chuvas, produzindo enchentes e secas mais graves e frequentes;[6] tendem a aumentar a frequência e a intensidade de ciclones tropicais e outros eventos meteorológicos extremos como as ondas de calor e de frio;[6] devem provocar a extinção de grande número de espécies e desestruturar ecossistemas em larga escala, e gerar por consequência problemas sérios para a produção de alimentos, o suprimento de água e a produção de bens diversos para a humanidade, benefícios que dependem da estabilidade do clima e da integridade de sua biodiversidade.[7] [8] O aquecimento e as suas consequências serão diferentes de região para região. A natureza destas variações regionais ainda é difícil de determinar de maneira exata, mas sabe-se que nenhuma região do mundo será poupada de mudanças, e muitas serão penalizadas pesadamente, especialmente as mais pobres e com menos recursos para adaptação. O Ártico é a região que está aquecendo mais rápido,[9] verificando-se progressivo derretimento do permafrost e do gelo marinho,[10] temperaturas recorde, secas mais intensas e profunda modificação em seus biomas, com desaparecimento de espécies nativas[11] e invasões em massa por espécies exóticas.[12] Geleiras de montanha em todo o planeta estão também em recuo acelerado, modificando seus respectivos ecossistemas e reduzindo a disponibilidade de água potável.[7] [8] [13] Mesmo que as emissões de gases estufa cessem imediatamente, a temperatura continuará a subir por mais algumas décadas, pois o efeito dos gases demora até se manifestar totalmente em escala global.[14] É evidente que a mitigação (mudança para um modelo econômico de baixa emissão) não acontecerá de imediato, por isso haverá necessidade de adaptação às consequências do aquecimento. Uma vez que as consequências serão tão mais graves quanto maiores as emissões de gases estufa, é importante que se inicie a diminuição destas emissões o mais rápido possível, a fim de minimizar os impactos sobre esta e as futuras gerações.

A Organização das Nações Unidas publica um relatório periódico sintetizando os estudos feitos sobre o aquecimento global em todo o mundo, através do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). Estes estudos têm, por motivos práticos, um alcance de tempo até o ano de 2100. Todavia, já se sabe também que o aquecimento e suas consequências deverão continuar por séculos adiante, e algumas consequências, graves, serão irreversíveis dentro dos horizontes da atual civilização. Os governos do mundo em geral trabalham hoje para evitar uma elevação da temperatura média acima de 2 °C, considerada o máximo tolerável antes de se produzirem efeitos globais em escala catastrófica. Num cenário de elevação de 3,5 °C a União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN) prevê a extinção provável de até 70% de todas as espécies hoje existentes. Se a elevação chegar ao extremo de 6,4 °C, que não está descartada, e de fato a cada dia parece se tornar mais plausível, pode-se prever sem dúvidas mudanças ambientais em todo o planeta em escala tal que comprometerão irremediavelmente a maior parte de toda a vida na Terra e desintegrarão os governos nacionais devido a causas múltiplas combinadas, como a fome, epidemias e o esgotamento em larga escala dos recursos naturais, levando a civilização como hoje a conhecemos ao colapso. Se considerarmos o futuro para além do limite de 2100, admitindo a queima de todas as reservas conhecidas de combustíveis fósseis, projeta-se aquecimento dos continentes de até 20 °C, “eliminando a produção de grãos em quase todas as regiões agrícolas do mundo”, e criando um planeta “praticamente inabitável”. Tal perspectiva é hoje plausível, uma vez que não há qualquer ímpeto popular ou político no sentido de se deixar intocadas as reservas ainda inexploradas. Pelo contrário, as pesquisas para utilizar hidrocarbonetos antes inviáveis, como as areias betuminosas do Canadá, as jazidas de petróleo do Ártico e o fraturamento hidráulico, propiciam a criação de novas fontes de gases estufa.

Embora a imprensa ainda alimente muitas controvérsias, frequentemente mal informadas, tendenciosas ou distorcidas, e haja grande pressão política e econômica para se negar ou minimizar as fortes evidências já reunidas, o consenso virtualmente unânime dos climatologistas é de que o aquecimento global está a acontecer inequivocamente, e precisa ser contido com medidas vigorosas sem nenhuma demora, pois os riscos da inação, sob todos os ângulos, são altos demais. O secretário-geral das Nações Unidas declarou que, de todas as ameaças ambientais contemporâneas, o aquecimento global é a maior e a mais grave, em vista dos seus efeitos múltiplos e do seu impacto generalizado sobre todo o mundo, e segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), “há evidências alarmantes de que importantes pontos de ruptura, que levarão a mudanças irreversíveis nos ecossistemas e no sistema do clima planetário, já podem ter sido alcançados ou mesmo ultrapassados”. O Protocolo de Quioto, bem como inúmeras outras políticas e ações nacionais e internacionais, visam a redução das emissões de gases de efeito estufa. Em novembro de 2009 eram 187 os Estados que assinaram e ratificaram o protocolo. Todavia, as negociações intergovernamentais não têm sido frutíferas. Por outro lado, as evidências do problema do aquecimento global e suas consequências têm se avolumado ano a ano. O conhecimento e as tecnologias necessários para evitar a materialização das previsões mais pessimistas já existem, e de acordo com o PNUMA “devem ser aplicados imediata e agressivamente”.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Aquecimento_global